American Folk Magic

setembro 11, 2009

Mais um lance: http://americanfolkmagic.wordpress.com/

Um podcast/show. Confere lá.

Shuffle

julho 3, 2009

Olha só o que eu vou fazer. Vou apertar o shuffle do iTunes e ver o que aparece. Essa vai ser a música do post de hoje.

Abrindo o iTunes…

Clicando em shuffle…

Play…

Tudo bem, admito. Roubei. Caiu numa que não tem nada a ver. Tentemos mais uma vez…

Clicando na setinha pra frente…

Ah, agora sim! Que beleza! Gino Soccio.

Gino Soccio – Dancer

Vamos fazer de novo?

Cliquei…

O shuffle hoje está de bom humor! Rockets.

Rockets – On the Road Again

A última vez…

Dessa vez o shuffle arrasou! Fechou o post com chave de ouro cravejada de diamantes e rubis. Instant Funk.

Instant Funk – Crying

Leda

julho 2, 2009

Eu tenho Twitter. O Twitter te acostuma mal. Por outro lado, tem o lance da praticidade. Escrever em blog requer um certo domínio de algumas técnicas. Fazer links, anexar imagens, esse tipo de coisa. Tudo bem, tudo bem, não é nenhuma física quântica. Qualquer um faz, mas não seria ótimo se tivesse um jeito mais fácil de se escrever posts de blog interessantes sem recorrer a todas essas ferramentas? Sim, existe! É só escrever e pronto! Há quantos séculos existem os blogs? Existem desde muito antes do advento dessa tecnologia muito louca que é a internet. Naquela época era só o texto e era bom pra cacete.

E hoje? Hoje não dá pra ser assim. O leitor fica entediado.

Eu admiro muito os blogueiros que têm um cuidado e um capricho enorme com seus blogs. Atualizam todos os dias, colocam belas imagens, belos textos, belos links, belas cores. Um dia serei assim também.

Pois bem. Vamos ao que interessa. O Peter Baumann, que já foi do Tangerine Dream, brincou de Giorgio Moroder no fim dos anos 70 e encabeçou um projeto chamado Leda. Bem, na verdade não chega a ser exatamente um lance tão Moroder assim. Não tem todo aquele punch. É um lance bem pop, mas ao mesmo tempo você consegue captar ali uma pitada de Tangerine Dream. Eu fiz essa comparação com Moroder porque tem uma música que me lembrou um pouco aquela de Never Ending Story, composta pelo Moroder e cantada pelo cara do Kajagoogoo.

Eu gosto muito da cantora. Não sei quem é. Será que é a Leda?

Leda – Endless Race

Leda – Movin’ On

Agradeço de montão ao Pato de Borracha, que me mostrou esse som. Aproveita pra escutar o som dele também. É Synth foda.

Aqui estão dois links para as músicas do Pato de Borracha: aqui e aqui.

A partir de agora, vou sempre colocar uma faixa bônus, relacionada ao assunto principal. A de hoje é uma composição de Edgar Froese, que foi companheiro de Baumann no TD. É a trilha de Kamikaze, um filme alemão de 1989. Ele não foi dirigido por Fassbinder, mas ele esteve envolvido no filme de alguma forma. Já li, mas esqueci. A música de Froese pra esse filme é meio faroeste kraut.

Veja só um pequeno trecho do filme.

Edgar Froese – Flying Kamikaze

PS: Mudei. Hoje eu coloquei os arquivos no Divshare. Vamos ver se é melhor que o Zshare, que estava chatão.

PS 2: Poxa, eu realmente não tenho as manhas da internet. Queria colocar aqui no post aquele playerzinho. Não rolou. Fui lá no Divshare, copiei aquele código embed enorme e colei lá na aba HTML do editor de posts do WordPress. Não rolou. Que merda. Como faz isso?

Huevo Dancing

fevereiro 17, 2009

Meu último post foi há quanto tempo atrás? Uns 8 meses? Nem sei. Será que alguém ainda vem aqui?
Se ainda vier, vai aproveitar pra escutar esse disco-funk-electroboogie de 1982. Eu gosto muito desses sons. Vou dar uma variada a partir de agora. Não vou mais ficar só no Italo Disco. Se bem que meu último post nem foi de Italo.

Enfim, tá aí embaixo.
Boogaloo Popping

Fresh Face – Huevo Dancing

Aviador Dro

junho 18, 2008

Esses também são lá da Espanha. O nome completo deles é El Aviador Dro y Sus Obreros Especializados e começaram em 1979. Os caras são pioneiros do synth-pop espanhol.
Eles estão até hoje em atividade. Quase 30 anos de estrada. Merecem todo o nosso respeito. Olha eles:

O de verde é o Biovac N, fundador e líder do Aviador Dro. A moça chama-se Arcoíris e está no grupo desde 1982.

Um vídeo bacana deles. Nuclear, Sí! Por Supuesto! Nuclear, Sí! Como no! Eu tenho 3 versões dessa música. Vou colocar aqui pra vocês a que eu acho mais legal. É um pouco diferente da do vídeo, que é muito boa.

Aviador Dro – La Chica de Plexiglas

Aviador Dro – Nuclear, Sí

Aviador Dro – Rosemary

Aviador Dro – La Televisión Es Nutritiva

Aviador Dro – Brigada de Demolición

Se você entende espanhol, presta atenção nas letras. São fantásticas!

Vicio Latino

junho 12, 2008

Mais representantes do buenísimo Disco espanhol. Ainda vou trazer muita coisa de lá pra cá pro blog. Aguardem uma enxurrada de sons españoles.

Vicio Latino – ¿Sabes que Hora Es?

Vicio Latino – Horario Disco

Vicio Latino – ¿Sabes que Hora Es? (Version Casual)

Mr. Fantasy

junho 5, 2008

Eu tinha falado há alguns posts atrás que eu iria dedicar um ao Lee Marrow. Aqui está. Eu resolvi não incluir esse post na categoria Heróis do Italo Disco; não porque o Lee Marrow não seja um e sim porque eu não sou tão fã dele assim.

Pra mim, sua melhor produção é esta Mr. Fantasy, uma homenagem ao sujeito do post aí de baixo: Patrick Cowley, o Sr. Fantasia. Ela é inspirada em Do You Wanna Funk. Tem uma linha de synth idêntica, só que mais lenta.

O Lee Marrow fez muito sucesso no início dos 90 com o projeto Corona. Você se lembra de Rhythm of the Night, é lógico. Quem cantava era uma brasileira, daqui do Rio de Janeiro. Foi morar na Itália e se deu muito bem. Estourou no mundo todo.

Lee Marrow – Mr. Fantasy

Vou colocar outra aqui que é bacana também. Sayonara. O Lee Marrow tinha uma onda oriental. Outra dele se chamava Shanghai. Na verdade, nem era tão incomum no Italo. O Koto também tinha essa onda.

Lee Marrow – Sayonara (Don’t Stop)

O Patrick Cowley nos deixou muito cedo. Morreu com apenas 32 anos. Mesmo assim, deixou um legado valiosíssimo para a música.

Eu já falei dele aqui no blogue e coloquei algumas músicas dele. O post de hoje tem alguns remixes que ele fez para outros artistas. Eu particularmente amo todos esses remixes. Acho alguns até melhores do que as versões originais.

O que eu mais gosto nos remixes dele é essa atmosfera que ele consegue criar, levando as músicas a um outro nível, a um outro universo. Muito envolvente e até hipnótica às vezes, mas sem deixar o funk e o groove de lado. Sem dúvida ele era um sujeito muito avançado. Previu muito do que viria acontecer na música eletrônica.

A sua versão pra I Feel Love é um absurdo. É um clima dub que vai progredindo, sem pressa. Tem um solo climão space dub alucinante. É isso que eu gosto nos seus remixes. Funkytown também tem esse clima, mas é bem mais contido. Nessa ele não aloprou tanto. Disco Dance, da Michele, é um estouro! É sexy.

Donna Summer – I Feel Love (Patrick Cowley Megamix)

Lipps, Inc. – Funkytown Revival

Michele – Disco Dance (Mega Mix)

Hills of Katmandu é um clássico absoluto. O Celso Valli é um mito. Até merece um post só pra ele. Vai rolar. Pioneiro do Italo Disco, quando o Italo Disco ainda não se chamava Italo Disco. Remixar uma música de um cara desses é muita responsabilidade. Claro que o Patrick Cowley não poderia fazer feio. Seu remix também não alopra tanto, talvez até porque a original já tem uma força enorme. Esse remix pode ser encontrado na ótima coletânea Deep Disco Culture Volume 2. Já falei do Volume 1 aqui.

Tantra – Hills of Katmandu (Patrick Cowley Mix)

O post de amanhã (assim espero) vai ter um pouquinho a ver com o Patrick Cowley.

Marnimix

maio 30, 2008

Pra quem curte Cosmic/Afro, Baia Sounds, Beppe Loda e similares: marnimix.

Não sei quem é Marni. Esse link me foi passado por um camarada do Soulseek. Só sei que vale muito a pena conferir seus sets. Muito bons. De quebra, ainda tem um Beppe Loda ali pra baixar.

Essa é bem curiosa. Raff Todesco, dono do selo Ra-Re Productions, produziu muita gente do Italo Disco nos anos 80. O cara produziu muita coisa legal, como Why Why, da Rare Band e muitas coisas do Wish Key.

Ele esteve envolvido em alguns grupos também, como Video. Outro membro do Video era o Marius Percali, que também era a pessoa por trás do Visions, do grande sucesso Everybody, de 1985. A música mais conhecida do Video era Somebody, de 1984. Em 1986, Todesco produziu o grupo Video & Vision que, ao que me parece, só lançou um 12″. A música se chamava Anybody.

Acho essa sequência de pronomes muito engraçada. Os títulos e letras do Italo Disco sempre me fascinaram.

Quanto às músicas, Everybody é sensacional. Tem todos os elementos dos grandes hits. Linhas de synth fortes e cheias, vocais femininos agudos, refrães em coro. Entra fácil em qualquer compilação do melhor do Italo. Eu gosto muito de Somebody. Tem um clima mais synth-pop, com sintetizadores gritando. Agora, Anybody é fraca. É apenas o cisco que caiu de Somebody e de Everybody. Até mesmo se você for analisar do ponto de vista da gramática, verá que Everybody é muito mais forte. Engloba todo mundo, sem exceção. Somebody já atrai mais gente. Anybody fica por último. É qualquer coisa.

Video – Somebody

Visions – Everybody

Video & Vision – Anybody

Somebody tem um vídeo ótimo. De chorar:

Phoenix

maio 26, 2008

O veículo interplanetário Mars Lander, da Missão Phoenix, pousou com sucesso ontem em Marte.

Ele fez esta foto:

Essa foto me intriga. Você consegue ver uma figura branca ao fundo? Essa figura, ou objeto, ou sei lá o que, é curiosa. Parece que faz sombra e reflete bastante luz, já que é muito mais branca do que todos os outros elementos da foto. Se você for olhar a imagem em alta resolução, vai reparar que em volta da figura rola aquela pixelação comum nas imagens digitais, quando a luz está muito forte.

Evidentemente, pode não ser nada. A verdade é que chama muito a atenção. A Nasa talvez pudesse ter mencionado a tal figura branca na legenda da foto, dizendo que aquilo é um defeito da câmera ou qualquer outra explicação. Por outro lado, é interessante não dizer nada. Cria um mistério, um clima. Atrai mais atenção.

A escolha musical do post de hoje foi um pouco aleatória. Queria colocar alguma música espacial. Acabei encontrando essa do Greg Hawkes. Ele ficou muito conhecido na época que era tecladista do The Cars. Em 1983 lançou um álbum solo chamado Niagara Falls. Essa música é de lá.

Greg Hawkes – Voyage Into Space

Arqueologia Italo Disco

maio 21, 2008

Quando eu li isso ontem, fiquei muito emocionado. Uma equipe de arqueólogos do Italo Disco, formada por canadenses e poloneses, conseguiu desenterrar várias jóias valiosíssimas e extremamente bem preservadas. Alguns exemplares ainda estão lacrados dentro do plástico!

Várias cópias de Batida! Várias copas de Capsicum! Várias cópias de Turas!

A descoberta foi feita num depósito de Turim.

Parabéns a eles!!!

Mais informações aqui.

Só pra esse post não ficar sem brinde musical, toma Capsicum, do Stargo. O homem por trás do Stargo era ninguém menos que Roberto Zanetti, mundialmente conhecido por seu trabalho como Savage.

Stargo – Capsicum

Buari

maio 20, 2008

Vou mudar um pouco o tema e recuar um pouquinho no tempo.

O Buari veio lá de Gana. O nome todo dele é Sidiku Buari. Ele é sósia do Mussum. O som dele é um Afro Disco Funk. Impossível ficar parado.

Isso é o que o próprio Buari tem a dizer a respeito da sua música:

“I’m a native of Ghana, a singer, dancer, percussionist, composer and co-arranger. I feel through my music – as waxed in this collection is a development which comes from the ingredients of the traditional music and culture of Ghana.

There is a strong American disco beat to these heavy African rhythms. For it is my intention that my music gives pleasure to dancers as well as educate…”

As duas primeiras são do álbum Buari, de 1975. As duas outras são do Disco Soccer, de 1979.

Buari – Karam Bani

Buari – Advice from Father

Buari – I’m Ready

Buari – It’s What’s Happening

Laserdance

maio 15, 2008

Eu prometi que ia dedicar um post ao Laserdance. Pois aqui está, com alguns milênios de atraso.

Laserdance é um projeto holandês de dois caras: Michiel van der Kuy e Erik van Vliet. O primeiro single deles saiu em 1983, mas o primeiro álbum só foi aparecer em 1987. Chamava-se Future Generation e saiu pelo Galaxis, um subselo do grande selo dos anos 80, ZYX. Esse álbum é uma das maiores jóias do italo/space/synth dos anos 80. Dentro dele tinham várias músicas absolutamente fantásticas, como Power Run e Humanoid Invasion. Foi um grande sucesso. Depois disso, a carreira deles foi bem produtiva.

O Michiel van der Kuy tem um outro projeto chamado Rygar. Ele também assumiu o nome Koto no final dos anos 80. Eu já falei do Koto aqui. Originalmente, era um projeto musical dos italianos Anfrando Maiola e Stefano Cundari.

Laserdance – Power Run

Laserdance – Humanoid Invasion

Laserdance – Digital Dream

Laserdance – Brain Mission

Rygar – Sonic Mission

Syntech

abril 18, 2008

Syntech é da Holanda. O fundador, Edwin van der Laag, é um artista gráfico que resolveu se arriscar no mundo da música. Se deu muito bem, pois Syntech é foda!

O sujeito fez a arte de todas as capas do Laserdance (em breve tem Laserdance por aqui).

Esse Soundly Computed é de 1988.

Syntech – Soundly Computed